Na região sudeste, o Espírito Santo foi o segundo estado mais otimista, com 61,1% dos empresários acreditando que 2017 será melhor para os negócios do que o ano que passou.


Uma pesquisa realizada pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) mostra que o mesmo após o déficit financeiro de 2016, empresários se mostram otimistas para o desempenho de seus negócios em 2017.
Depois de um balanço negativo onde 59,9% dos empresários entrevistados responderam que o ano de 2016 foi pior que o ano de 2015, novos números mostram um maior otimismo exposto em uma porcentagem de 62,6% para uma expectativa de que 2017 seja um ano economicamente melhor que o anterior.
Isso porque após sobreviverem à crise econômica de 2016, os empresários já têm uma ideia de quais caminhos seguir para que as empresas voltem a lucrar.
De acordo com a pesquisa, 33,9% dos empresários acreditam que investir em estratégias de marketing e propaganda será melhor solução para recuperar o que foi perdido e reestabelecer o saldo positivo de suas empresas. Já outros 26,1% acreditam que o melhor investimento seria aumentar a variedade de produtos e serviços a serem oferecidos aos clientes.
Na região sudeste, o Espírito Santo foi o segundo estado mais otimista, com 61,1% dos empresários acreditando que 2017 será melhor para os negócios do que o ano que passou. O estado ficou atrás apenas de São Paulo, com 62,3%. Os capixabas também apresentaram a menor taxa de pessimismo da região. Apenas 11,4% dos entrevistados responderam que o ano será pior que 2016, enquanto os empresários em São Paulo ficaram com 13,7%; em Minas Gerais, 15,8%. Já no Rio de Janeiro, 20,8% dos entrevistados disseram que o ano será pior. O estudo foi realizado entre outubro e novembro de 2016 com 6.617 empresários em todo o Brasil.
O empresário Eliton Stranger, da Cantina Mattiello, em Santa Teresa, é um dos que acreditam em melhores resultados em 2017. “A espera por melhorias é obvia, ainda mais depois desse ano ruim que foi 2016. Nós já estamos investindo desde o final do ano passado para que esse ano possamos colher os frutos. Creio que em março, abril, as coisas já devem mostrar melhoras. Para 2017 já montamos uma vinícola e melhoramos o roteiro de visitação, tudo na expectativa de dias melhores”, afirmou.
Apesar do otimismo apresentado pela maioria dos entrevistados, a decisão por investir no negócio em 2017 ainda divide opiniões. 51,6% dos empresários dizem que não vão investir esse ano, pois acham que o cenário econômico ainda não se mostra propício a investimentos. Já outros 41,6% se mostram mais confiantes e dizem que vão investir em 2017, principalmente os setores da construção civil e do comércio.
De acordo com o diretor técnico do Sebrae ES, Benildo Denadai, o mutirão da renegociação, lançado pelo Sebrae em dezembro, pode auxiliar os empresários a iniciarem o ano com novos rumos. “Ao renegociar as dívidas, o empresário consegue se planejar melhor, buscando a retomada do seu crescimento. Com as finanças organizadas fica mais fácil tomar novas decisões”, analisou o diretor.